segunda-feira, 28 de maio de 2007

Missão: ser humano - parte III: lerêêê, lerêêê...

Dentre todos os problemas insignificantes que me atingem por esses meses, o mais grave é certamente o mesmo que atinge dois milhões de paulistanos: o desemprego.

Quando eu era bem pequeno, tive dois sonhos profissionais clássicos de criança: ser astronauta e jogador de futebol. Como eu sempre fui perna de pau aos extremos e me cago de medo de altura, deixei pra lá.

Sempre desenhei, mas mesmo pequeno pensava que o desenho era um hobby, não um trabalho, até porque seria bem difícil trabalhar com isso no nosso Brasil (quando até uma criança sabe que o mercado de trabalho em determinada função é um cu, não pode ser coisa boa). Como, ao contrário das pessoas normais, eu perco o juízo à medida em que fico mais velho, acabei aceitando que esse deve ser meu ganha pão.

Em meus trabalhos anteriores, já fiz bastante coisa, de colar papel na parede, instalar computador, carregar revista e misturar químico fotográfico a desenhar, diagramar, fazer saite e essas frescuras. Embora a parte de ilustração seja ínfima no meio disso tudo e eu provavelmente conseguiria mais dinheiro em outras áreas (ou não, visto que sou um incapaz em tudo), desenhar é o que me traz mais retorno egoístico: o pessoal gosta, elogia, conversa comigo e tal. Então acabei decidindo por isso (eu sou uma pessoa carente).

Decidido isso, rabisquei um milhão de coisas até chegar, finalmente, nao meu portfólio. São, acho eu, os melhores desenhos que já fiz (correção: terminei), então até estou satisfeito com a coisa. A idéia, claro é descolar um trampo, mas não sou tão exigente: sendo trabalho, tô aceitando qualquer coisa (que não prejudique meu rêgo). Porque esse papo de 'sonho profissional' é um paradoxo grotesco: trabalho não pode ser senão um pesadelo, do qual é praticamente impossível acordar. Já que é assim, bora lá.

Aaaah, meu portfólio tá aqui. Não perca essa oportunidade, seja meu chefe =)

2 comentários:

bb disse...

DEMMAAAAAIS seu portifólio!!! Se eu fosse rica, montava um MASP - Museu de Arte Só Paudula - hahahah puxa saaaacooooo!

Erika Stark disse...

Eu também já quis seguir muitas profissões na minha infância.
Começou com cantora, foi para escritora, desenhista, escritora de mangá e agora estou quereno psicologia. Só que eu acho que agora é pra valer (eu achava isso em todas as vezes, mas deixa em off)

Eu adorei o seu portfólio. Sérinho. Os seus desenhos são bastante interessantes (e embora eu seja burra e não tenha a capacidade de interpretar arte ou esses famigerados sentimentos ocultos e escondidos do artista, eu achei mesmo bem legal.)
Acho que o meu favorito, se chama truco, é aquele em que o gato está jogando aparentemente truco NÉ, com a lua. Em Quiet Village.
Eu gostaria de saber o que você pensou quando fez esse desenho.
"Ah, vou desenhar um gato jogando cartas com uma lua" poderia ter sido isso? eu não sei. Da onde esses artistas tiram inspiração?
E olha que eu queria ser desenhista e não sou capaz de entender.

Bem, estarei em outra postagem. Estava em busca de encontrar a primeira do blog, mas acabei desistindo PORQUE É MUITA POSTAGEM, mas tudo bem. Estou no seu passado, 10 anos antes. Wow.