segunda-feira, 14 de abril de 2008

=P

A comunicação via mensageiros instantâneos (MSN, SMS, ETC) é o que mais aproxima os seres humanos dos robôs (assim como o RPG é o que mais nos aproxima dos animais). Quando falamos com outra pessoa ao vivo, ou por telefone, deixamos que os músculos da face e a entonação da voz criem as nuances necessárias para que um cara de dois metros não confunda nosso respeito e temor com ironia (só um exemplo aleatório, nunca aconteceu). Quando utilizamos desses dispositivos digitais, e só dispomos da linguagem escrita, lança-se mão de todo tipo de frufru, de emoticons aos tradicionais smiles.

Na teoria, um =) é o equivalente a uma frase dita com simpatia, com doçura. Um rsrs é um risinho bobo, um =D é a alegria explodindo em flor. Mas você já reparou em outra pessoa teclando? Você já viu ela sorrindo quando digita um =)? E um hahaha (não um hahahahahahaha), normalmente tem a sonoplastia de uma gargalhada?

Não, não tem. O que acompanha é sempre a mesma cara de bunda com que o cara da mensagem fica quando está usando o computador (a menos que esteja vendo pornografia). Disso, podemos tirar duas possíveis conclusões: ou somos robôs, ou somos uns hipócritas filhos da puta.

Infelizmente, ambas as opções são realidades nos dias de hoje. Ligue para um serviço de atendimento qualquer e será atendido por um robô; aperte a tecla 2 e será atendido por um hipócrita.

O que nos diferencia dos robôs (assim como odiar o Corinthians é o que nos diferencia dos animais), é que eles sabem o português. Embora ainda se embananem nas regras gramaticais (vide a minhoquinha verde do Word), pelo menos se garantem na ortografia. E, nessa equação, ainda saem-se melhores que muito analfabeto funcional enrustido por aí.

No frigir dos ovos (eita...), a comunicação via mensageiros instantâneos nos aproxima de uma casta diferente de robôs: a de robôs hipócritas e burros. Se a teoria da seleção natural de Darwin se aplicar a essa situação absurda, dentro de algum tempo largaremos esses modelos textuais de interação e, gradativamente, caminharemos de volta à boa e velha comunicação oral. Porém, como tudo nos dias de hoje tende a se tornar uma bola de neve, mais essa onda retrô que não acaba nunca, é possível que em alguns anos estejamos dialogando através de pinturas rupestres.

O que pra mim vai ser ótimo, já que eu desenho melhor que escrevo, e terminar uma ilustração é mais fácil que terminar um texto.

6 comentários:

Otávio Pacheco disse...

Interessante ponto de vista, mas discordo de duas partes: acho mais fácil terminar um texto a uma ilustração. E às vezes dou gargalhadas no msn (e não uso emoticons, só em casos de emergência)

Thiago Padula disse...

Então, gargalhadas eu também dou, mas ai eu escrevo um 'hahahahahahahaha' bem comprido, não um 'hahaha' murcho.

E eu uso emoticons o tempo todo =P

Morto de Frio disse...

Tiago, caro amigo... Sinto dizer que vc tá errado.
Eu rio a cada Hahaha e ponho a língua pra fora a cada :P

Momento Descontrol disse...

Eu acho o "hahaha" bem antipático. só uso quando quero dizer: "mas que merda, heim?". Pior que ele, só o kkkk. Quero dar tiros em quem usa.

Thiago Padula disse...

Eu já adoro o hahaha, uso o tempo todo. Agora, saindo um pouco no assunto, eu odeio mesmo quem escreve coisas como 'fotenha'. Isso pra mim é indicativo de retardamento mental.

Renato Sansão disse...

Tem coisa pior que fotenha:

- Miguxo, meega, roxxxx;
- Affffffffffffffffffff;
- I aih, tudu beim cum vuxê?
- bjuxxxxx

E pra risada, a melhor é aquele smilezinho satânico batendo no chão e se rachando!!