quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Hot hot heat

Já vi muita gente dizendo, em tom de brincadeira (pelo menos eu rezo por isso todas as noites), que o ar-condicionado é a maior das invenções humanas.

Nesses tempos em que cada vez mais o sol nos chicoteia furiosamente como se fôssemos os cavalos de sua biga, ter na sala de trabalho um ar-condicionado é uma bênção divina, por mais que, paradoxalmente, ele contribua significativamente para o aumento da camada de ozônio e tal.

O grande problema do ar-condicionado é que, ao contrário do sol, ele não nasce para todos. Não é esférico, não cospe ar frio por todos os lados e, portanto, cada pessoa tende a sofrer um impacto diferente, de acordo com a sua localização. Assim, um reclama que tá frio, outro reclama que tá calor, e começa aquilo que pode-se considerar a mais absurda aplicação do termo 'guerra fria'.

Eu, por exemplo, fico na linha de fogo da bagaça aqui no trabalho. Nesse momento, tá um frio miserável, mas se eu aumentar a temperatura o cara que senta na mesinha a sudoeste vai reclamar que tá muito quente. Ai a moça que fica sudeste vai aumentar a temperatura por que tá gripada, e vai ficar um calor infernal. Então entra o mano de terno e põe a temperatura lá embaixo, e por aí vai.

Esse é um dos preços a se pagar por tentar conseguir mecanicamente o que você pode ter eolicamente. Todos poderiam abrir as janelas, soltar as gravatas, pôr os pezinhos pra fora do sapato, e então o mundo seria justo e mais bonito. Mas não, preferimos virar de costas pra natureza, abaixar as calças e dar tapas na bunda, em tom de provocação. Isso vai dar merda, com certeza.

Mas aí você vira e diz que a culpa é da natureza, que não nos fez endotérmicos, como os ursos.

E eu vou ficar sem resposta.

2 comentários:

Edu Melo disse...

"..como se fóssemos cavalos de sua biga".
Analogia genial.

João disse...

Duas invenções do homem que também são geniais: o ventilador e o clips!