domingo, 28 de outubro de 2007

Fala baixo

Eu não sou um bom músico - aliás, acho que deveria haver alguma liminar pra me manter a pelo menos 15 sílabas da palavra 'músico' -, mas gosto de maltratar o violão e tal - paguei caro por ele, agora faço o que quiser, that's the law.

De uns tempos pra cá decidi comprar mais um instrumento, pra poder tocar com mais gente, sacomé. Uma guitarra seria a opção mais óbvia, mas um violão elétrico também era uma alternativa bacana - essa ladainha folk não me larga nunca. Bateria nem pensar, porque a) é muito caro; b) faz muito barulho; c) minha mãe arrancaria minha baqueta fora se eu aparecesse com isso em casa.

E não é que lá pelas últimas duas semanas fui tomado de súbito por uma vontade incontrolável de tocar... baixo. Num primeiro momento aquilo foi repugnante, pois - começa agora o momento preconceituoso e a arte de se falar sobre aquilo que não se sabe -, convenhamos, baixo é instrumento de corno.

Repara num show como o baixista parece estar sempre alheio ao que se passa. Enquanto o vocalista se curva e esgoela sobre o microfone, o guitarrista roda pelo chão e o baterista espanca seu instrumento como um gorila, o baixista está lá na dele, mexendo os ombrinhos e, se muito, os quadris, com aquela cara de 'calma, pessoal, está tudo sob controle'.

E o baixista é o cara que não come ninguém. E o instrumento dele não faz barulho e é proporcionalmente feio. E veja bandas lideradas por baixistas, como o Iron Maiden e o Rush - podem ser ótimas bandas, mas ninguém liga. E se baixo fosse bom, o Thee Butchers' Orchestra teria um.

Mas de algum modo, após quase furar o primeiro do Stone Roses de tanto ouvir (tá, era mp3, mas vale a metáfora), me convenci de que queria tocar baixo. Fodam-se o Steve Harris, o Geddy Lee e o Roger Waters - ainda temos o Gene Simmons, o Flea, o Paul McCartney! E o Sting, o Brian Wilson, o Paul Simonon, o Lemmy Kilmister, o John Paul Jones, o Sid Vicious (ahn... é), o Nick Olivieri.

Certo, agora eu quero ser baixista. Sou um corno conformado, escuto a voz do coração. E depois, sobre aquilo de o baixista não comer ninguém, é até um peso a menos sobre meus ombros: imagine que guitarrista vergonhoso eu seria.

Update: Alguns vídeos de linhas de baixo divertidas pra fazer a alegria da criançada:





4 comentários:

Morto de frio disse...

Paul Simonon é primo do Wilson Simonal?

Thiago Padula disse...

Non.

Entendeu?, entendeu? Ah, eu não me agüento...

Metropolitanos disse...

aiaiai, bom, baixistas não estão lá pra serem notados, se forem notados, é pq não são bons!
talvez os bons baixistas nã comam ningué, afinal, ninguém percebe q eles estão lá! rsrsrs
ah, devo comentar: vc realmente acha baixo um instrumento feio? ele é tão bonitinho!!! =)
PS: comentários de uma baixista em formação ;-)

Thiago Padula disse...

Eu até acho charmosos aqueles baixos de pau véios que você toca de pé e aqueles baixolões que parecem violões, mas o baixo elétrico é feio pra burro, parece uma guitarra grande e... boba.