quarta-feira, 14 de maio de 2008

Você vai se emocionar

Eu não gosto de novela. Acho um saco, não assisto, não quero nem saber. E, exatamente por isso, e por fazer parte de uma família normal (nesse ponto), que está sempre com a TV ligada das 21 às 22, adquiri uma técnica para acompanhar teledramaturgias à distância.

Como eu estou fadado a morrer pobre (o que quer dizer que eu posso morrer a qualquer momento), não vou fazer cu doce e escrever um rápido e gratuito guia pra você que por motivos x (leia-se 'vida') não consegue estar o tempo todo na frente da Globo. Simões, põe na tela:

É bem simples. Assim como um espectro de cores pode definir todos os perfis da alma, ver novela baseia-se pura e simplesmente na trilha sonora. Então você liga a TV, aumenta o volume e vai, digamos, pra cozinha.

Se estiver tocando um pagodão, é o momento do núcleo pobre. Festa, sorrisos, piadinhas - em novelas, o pobre é sempre o alívio cômico. A menos que seu senso de humor seja da profundidade de um pires, nem perca seu tempo.

Silêncio. Diálogo puro, então das duas uma: ou são amenidades, ou é a vilã discutindo com alguém, cena que normalmente vai terminar com um tapa na cara. Se você curtir tapa na cara (broadcasted, não necessariamente ao vivo), pode ser uma boa. Ou se curtir a Suzana Vieira falando merda, também.

Eu odeio a Suzana Vieira.

Música de balada. Aí é fácil, é balada. Gente dançando (sempre, SEMPRE tem um negão black power), o galã dando idéia na modela magrinha, que fica com o sorrisão aberto e nem consegue se fazer de difícil. Também não vale a pena.

Se a música for aquelas tensas mais lentas, com notas seguradas ad infinitum, violinos, violoncelos e o caralho, é o vilão olhando pro nada, namorando sua loucura. Nah.

Agora, se for das tensas frenéticas, corra como se não houvesse amanhã. É cena de ação, e cena de ação numa novela é como ligação recebida no meu celular: se perder essa, sabe-se lá quando vai ter de novo. Por sorte, elas costumam demorar um pouco, então se você torcer o pé na afobação, não se preocupe, continue arrastando-se que ainda dá tempo.

E, por fim, se tocar música de casamento, é o último episódio da novela. Como o casamento vem no final, logo depois da cena de ação onde o carro do vilão cai do precipício, é provável que você já esteja lesionado nesse ponto. Como essas cerimônias são sempre a mesma coisa, sim pra cá, sim pra lá, aconselho seriamente a você tomar o caminho do hospital. Normalmente os hospitais têm uma tevezinha 14 polegadas na recepção, então dá pra ver que encalhada vai pegar o buquê - normalmente a pobre-alívio-cômico.

Ou a Suzana Vieira.

Um comentário:

João disse...

ahuahauhauhauahuahauha chorei!