quarta-feira, 11 de junho de 2008

Sobre o ódio (ou chupa, Coríntias)

Ah, Corinthians...

Sou louco por ti. Sou obcecado por ti. Te odeio como não odeio o maior dos meus inimigos. Por ti, meus preconceitos e meu sadismo se justificam. Por ti, meus piores sentimentos viram poesia.

Ah, Corinthians... como é bonito ver-te cair, ver-te sangrar, ver-te morrer. Tu, que ostentas teu refrão cristão, tão orgulhosamente quanto ostentas teus três dentes, deves estar feliz. Maloqueiro e sofredor, hein?

Ah, Corinthians... tu, que como Ícaro, ousaste cobiçar o que não te cabia, o trono dos vencedores. Agora, só te resta o chão. Nada como a realidade, não?

Chora, Corinthians. Abaixa a cabeça, corta os pulsos, volta para a segunda divisão, que é lugar de quem não tem história. Eu, daqui de cima, sigo sorrindo. Ah, Corinthians, eu nunca vou te abandonar.

Porque eu te odeio.

8 comentários:

Thiago Padula disse...

Escrever na segunda pessoa é muito difícil. Mas, you know, segunda divisão, segunda pessoa.

Vinícius disse...

Padula... que lindo texto!!!
Parabens!!!
Hahaha...expressou o que estava no meu coração!

Morto de frio disse...

Mais ou menos... E alí no "vê-lo cair", "vê-lo sangrar"...
Não seria "ver-te cair", "ver-te sangrar"?

Viu só...

Thiago Padula disse...

Pois é, é isso mesmo, mas eu achei tão estranho que preferi deixar errado.

O que também é uma atitude bem estranha... hum...

Thiago Padula disse...

Mas pra não dizer que não levo em consideração o que dizem meus fãs, coloquei do jeito certo.

Que cara nobre eu sou, hein?

Lilhã disse...

o importante é que o Sport venceu o Corinthias

urSão Paulino disse...

Ui!
Adorei a oraLtória, a dialética, a estrutura, dignas de Milton em "Paradise Lost", ou quiçá, por que não dizer Homérico, você simplesmente transmuta em palavras todo sentimento e ignomia a esta raça subalterna.

Um beijo, ó poeta da realeza!

Otávio Pacheco disse...

Lindo texto. Muita poesia, poesia pra caralho.